Trecho da Rodovia Transamazônica entre Belo Monte e Altamira é liberado, após mais de 70 dias interditado

Continua após a publicidade

Foi liberado no início da tarde desta quarta-feira, 16, o trecho da BR-230, conhecida como Rodovia Transamazônica, entre Altamira e a Comunidade de Belo Monte, município de Vitória do Xingu, sudoeste do Pará.

O trecho estava interditado há mais 70 dias, quando parte da rodovia desmoronou, abrindo uma cratera no local. De acordo com Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes, o DNIT, o rompimento da BR na época foi provocado pelas fortes chuvas na região, característica típica do inverno amazônico, interditando completamente o tráfego de veículos na BR-230.

Desde que a pista cedeu, equipes de manutenção do DNIT estavam mobilizadas, atuando de forma emergencial para restabelecer o tráfego na rodovia, que é um importante eixo de ligação entre os municípios da região Transamazônica. “Estava muito complicado trafegar pelo desvio, principalmente para caminhões pesados. Fico feliz agora em ter liberado esse desvio e de agora pra frente vai dar tudo certo”, disse o motorista, Caio Mascarenhas, um dos primeiros a passar pela rodovia Transamazônica após a liberação”.

Durante este período, os condutores tiveram que utilizar um desvio como rota alternativa, entrando no travessão do km 27 e seguindo até o km 55, aumentando o percurso em mais de 40 km.

O Chefe da Polícia Rodoviária de Altamira, Urbano Moura, chama atenção dos condutores para transitar naquele trecho com cuidado, haja visto, que as obras no local ainda não acabaram. “É muito importante a participação dos usuários no sentido de aumentar a atenção e diminuir a velocidade neste trecho. Até porque vão ter funcionários trabalhando, vão ter máquinas pesadas trabalhando, o trecho tá com muita lama, tá com muito material em cima da via. Então assim, tem que redobrar a atenção e diminuir a velocidade”, pontuou o Chefe da PRF em Altamira.

O acesso provisório feito pelo DNIT foi para que tráfego voltasse ao normal pela BR, enquanto as obras no principal eixo da rodovia ainda vão continuar.

Texto e Fotos: Wilson Soares – A Voz do Xingu

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *