Menu

Operação conjunta das polícias do Rio e do Pará prende mulher de chefe do Comando Vermelho

Momento da prisão da acusada, no Rio de Janeiro (Foto: Reprodução Redes Sociais)
Momento da prisão da acusada, no Rio de Janeiro (Foto: Reprodução Redes Sociais)
Continua após a publicidade

Uma operação integrada conseguiu prender preventivamente, no último domingo (3), Evelin da Rosa Baladan, esposa de Anderson Souza Santos, o Latrol, apontado como um dos integrantes da cúpula do Comando Vermelho e líder do braço da facção no Pará. Ela é acusada pelos crimes de lavagem de dinheiro, tráfico de drogas e associação para o tráfico. A prisão de Evelin tem ligação direta com a Operação “Acerto de Contas”, deflagrada pela polícia do Pará nesta terça-feira (5).

Evelin era investigada em várias frentes, tanto pela Polícia Civil da Delegacia de Homicídios de Niterói (RJ) como pela Polícia Civil do Estado do Pará, com apoio do Ministério da Justiça. Os agentes conseguiram localizá-la em um quiosque na praia da Reserva, na Barra da Tijuca, quando saía de uma festa. Ela foi presa sem oferecer resistência. 

Segundo Gustavo Fossati, titular da Delegacia de Repressão a Facções Criminosas, vinculada à Divisão de Repressão ao Crime Organizado do Rio de Janeiro, Evelyn estava escondida desde o início de 2021 no Complexo da Penha, na Zona Norte do Rio, juntamente com o marido, sob a proteção de traficantes locais. Considerado foragido, Anderson Souza Santos, o Latrol, é apontado como líder do CV no Pará e também como um dos braços-direitos do traficante Léo 41, morto em março de 2023 no Complexo do Salgueiro, em São Gonçalo.

Operação ‘Acerto de Contas’

Nesta terça-feira (5) a Polícia Civil do Pará deflagrou a operação “Acerto de Contas”, que resultou na prisão de 18 suspeitos em seis municípios – Belém, Tailândia, Marituba, Mocajuba e Quatro Bocas -, além de São Luís, no Maranhão, e do Rio de Janeiro. Pesa sobre eles a acusação de organização criminosa, tráfico de drogas e lavagem de dinheiro.

Segundo apurou a Polícia, a quadrilha movimentou cerca de R$ 4,5 milhões no período investigado. Foi realizado um bloqueio bancário no valor de R$ 6.870.000.

Fonte: O Liberal.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

error: Conteúdo protegido.